Mensagem

Mensagem:

Decidi criar este blogue com o intuito de divulgar uma doença endócrina rara que me afectou, chamada Síndrome/Doença de Cushing, trocar informações sobre a mesma, bem como divulgar as minhas experiências pessoais.

É necessário alertar as pessoas para esta doença silenciosa...

Caso tenham pelo menos 6 sintomas desta doença, alertem o vosso médico.

Gostaria de esclarecer que não tenho competência para diagnosticar a doença de Cushing, pois não sou médica. O melhor profissional para diagnosticar esta doença é o Endócrinologista, ou, como foi no meu caso, um Neurocirurgião com muita experiência.



quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Cushing Cíclico

Aqui vai a minha primeira postagem para o "Cushing's Awareness Challenge":

O Sindrome de Cushing Cíclico é quando os níveis de cortisol são alternadamente normais e elevados, ocorrendo em epísódios que podem durar de poucos dias a vários meses.
É mais comum em crianças do que em adultos.
O Sindrome de Cushing Cíclico pode  se manifestar como uma das duas diferentes formas de Sindrome de Cushing (ACTH-dependente ou independente).
Clinicamente, o Sindrome de Cushing Ciclico pode se apresentar com um ou muitos sintomas, dependendo da duração da actividade da doença e do tempo das flutuações. Influência serotoninérgica, alterações cíclicas no tónus dopaminérgico central, hemorragia tumoral episódica espontânea e acção de citoquinas com propriedades antitumorais são alguns dos mecanismos sugeridos para explicar a fisiopatologia desse fenómeno, mas o mecanismo exacto permanece obscuro.
O padrão cíclico do hipercortisolismo pode atrasar o diagnóstico final do Sindrome de Cushing e tornar difícil a interpretação dos resultados dos testes dinâmicos.
Alguns pacientes podem ter resposta paradoxal à dexametasona, que pode refletir níveis crescentes ou decrescentes da actividade endógena.
A avaliação hormonal precisa ser repetida periodicamente quando há suspeita do diagnóstico de Sindrome de Cushing Cíclico.
O padrão cíclico pode também interferir com o tratamento médico, já que pacientes podem apresentar sinais clínicos e bioquímicos inesperados de hipocortisolismo quando a secreção de cortisol retorna ciclicamente ao normal, de modo que um acompanhamento acurado é obrigatório nesses pacientes.

9 comentários:

  1. tenho26 anos e tenho a doenca de cushing ,fui operada a cerca de 20 dias .sinto mt cansaco ainda e algumas dores mas penso que seja normal gostava de conhecer pessoas com o mesmo sindrome para trocar ideis

    ResponderEliminar
  2. Esteja á vontade para fazer as perguntas que quiser. A finalidade deste blogue é mesmo essa.
    Eu fui operada há quase 8 meses e ainda não me sinto a 100%.
    Já agora voçê é de onde? Voçê foi operado à hipófise ou ás suprarenais?

    ResponderEliminar
  3. Oi Cristina, espero encontra-la bem...Bom, no meu caso " eu mesma", quem descobri que estava com cushing, pulava de médico em médico tentando descobri,com tantos sintomas diferentes por volta de quase 2 anos, ou 2 anos mesmo... Por volta de 9 meses estamos investigando, já fiz 2 RM, e o adenoma não aparece,o cortisol oscila, uma hora lá em cima, outra lá embaixo,nos ultimos exames está baixo, comecei com o cetoconazol, tive que parar por conta dessa "bagunça", então meus médicos acreditam que seja cíclico. E você a quanto tempo descobriu e como tem tratado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lidiane,
      Eu demorei para aí uns 5 anos a descobrir o que tinha. Eu queixava-me aos médicos mas nenhum me dava importância, até que me desapareceu a menstruação. Quando fiz a primeira ressonância magnética foi logo detectado um macroadenoma. Nas minhas análises os meus niveis de cortisol estavam normais (aliás sempre estiveram), então comecei a ser tratada como se tivesse um prolactinoma, pois a prolactina era a única hormaona que eu tinha ligeiramente alterada, mas eu sentia-me cada vez pior. A minha sorte foi ter encontrado o meu neurocirurgião (Dr. Amets Irañeta)que olhou para mim logo na primeira consulta e me disse que eu tinha sintomas cushingoides. Depois disso, foi exames e mais exames, e os meus niveis de cortisol sempre normais. Eu só tive a confirmação que realmente era cushing depois de ter sido operada (tive de ser operada por causa do tamanho do adenoma que já me estava a afectar o nervo óptico)e veio o resultado da biopsia.
      Hoje não tomo medicação e por enquanto estou curada do cushing.
      Espero ter ajudado...
      Caso tenha mais alguma dúvida, não hesite em contactar-me.

      Eliminar
  4. cristina, onde você fez o tratamento e a cirugia?
    denise.friburgo@gmail.com
    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiz o tratamento e a cirurgia no Hospital São José em Lisboa. Voçê é de onde?

      Eliminar
  5. Cristina, gostaria de saber mais...
    onde você fez o tratamento e a cirurgia?
    aguardo.
    denise.friburgo@gmail.com
    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diga-me o que é que quer saber mais para eu a poder ajudar.

      Eliminar
  6. Olá Cristina,
    O meu nome é Cristina e já lhe tinha pedido amizade no facebook e até lhe enviei uma mensagem. Pois estou a passar pelo mesmo processo que a Cristina já passou. O meu karma começou há cerca de um ano e meio, quando apesar de estar a fazer uma dieta muito restritiva o meu peso não baixava. Achava que estava com um problema na tiróide e por isso resolvi consultar uma endocrinologista, que me pediu para realizar uma bateria de exames, e nesses exames detetou-se que o cortisol estava elevado. A partir daí seguiram-se análises e mais análises, um internamento de 5 dias no Hospital Garcia de Orta para realização de exames, onde se confirmou que o cortisol não suprimia. O que me levaria a mais um internamento, desta vez de pelo menos 7 dias. Como os dias de internamento foram muito mauzinhos e não gosto de faltar às aulas (sim porque há professores que gostam muito do que fazem) pensei que poderia fazer os exames em ambulatório. Mas no Hospital Garcia de Orta o protocolo não o permitia. Assim mudei de endocrinologista e passei a ser seguida no Hospital Curry e Cabral. Devo acrescentar que tenho um primo que é médico anestesista, em São José e que já me tinha proposto que mudasse de equipa, pois a ser operada, segundo ele, estaria em muito "boas mãos" com o neurocirurgião Amets U., seu amigo pessoal e colega de equipa. (Penso que foi este o neurocirurgião que operou a Cristina, li algures neste blog). Neste momento tenho ressonância magnética ao crânio marcada no Hospital de São José e espero ansiosamente pelo seu resultado. Gostaria de poder partilhar consigo mais alguma informação e experiências sobre esta caminhada... Obrigada Cristina Revez

    ResponderEliminar